Honda vai investir R$ 30 milhões para expandir o parque eólico


Investimento para expandir parque eólico e recuperação do mercado automotivo são ótimas notícias para a indústria automobilística e o meio ambiente. Confira a matéria:


Foto: Gabrielle Chagas G1

Unidade paulista ficou quase 3 anos fechada depois de pronta. Ela abre com a produção do Fit e, em dezembro, recebe o WR-V. Até 2021, todos os modelos nacionais da marca sairão de lá.

A Honda vai utilizar energia do vento para compensar a energia elétrica gasta em nova fábrica em SP. A montadora vai investir R$ 30 milhões para expandir o parque eólico que possui em Xangrila-Lá (RS) para que ele produza a mesma quantidade de energia que a fábrica de Itirapina (SP) demanda.

O anúncio foi feito nesta quarta-feira (27), durante na cerimônia de inauguração da fábrica paulista.

“Afirmo com orgulho que todos os carros fabricados em Itirapina irão utilizar energia limpa”, disse o presidente da Honda na América do Sul, Issao Mizoguchi.

A unidade recém-inaugurada ficou quase 3 anos fechada depois de pronta, por conta da crise que atingiu também o setor automotivo.

O primeiro carro feito lá é Fit, e a unidade será responsável pela produção de todos os veículos nacionais da marca até 2021. Até agora, os demais modelos saem da fábrica de Sumaré (SP), que será mantida com a produção de componentes.

O próximo modelo a ser feito em Itirapina será o WR-V, em dezembro.

Além disso, a montadora anunciou que vai trazer 3 modelos híbridos (com motor elétrico e outro a combustão) para o Brasil até 2023, mas eles serão importados.

Trancada pela crise

A Honda começou a construir a fábrica de Itirapina em 2013. Fruto de um investimento de R$ 1 bilhão e com uma área de 5,8 milhões de metros quadrados, ela deveria ter sido aberta em 2016.

Em entrevista ao G1, no início do ano passado, Mizoguchi disse que a unidade só seria aberta quando houvesse reais condições – na época, segundo o executivo, não existia demanda suficiente para duas fábricas operando, portanto, ela não produziria nem o equivalente a 1 turno.

Nesta quarta, o executivo explicou que a decisão de por a fábrica para funcionar não se deveu a uma melhora no mercado.

“Não é o aumento (nas vendas de carros no Brasil), a recuperação do mercado que foi o fator decisivo para iniciarmos a produção aqui”, explicou o presidente da montadora.

“(É) Simplesmente porque essa fábrica tem equipamento melhor, layout melhor, ecologicamente melhor também. Tem uma condição para melhorar um pouquinho a competitividade”, completou.

“Você tá com dois carros: um carro antigo e um carro novo. Chega uma hora que você fica com vontade de usar o carro novo”, comparou.

Para Mizoguchi, o Brasil ainda está muito abaixo do nível do começo da década, antes da crise. “(Só vai chegar) Ao nível de 2013, que foi um ano bom de vendas no Brasil, ser em torno de 2025. Está melhorando, mas estamos muito longe do nível de 2013”, afirmou.

Instalações

De acordo com a fabricante, a nova unidade tem capacidade nominal de produção de até 120 mil carros ao ano, dividida em dois turnos, e contará com a experiência dos funcionários transferidos da planta de Sumaré.

Por enquanto, 400 colaboradores já trabalham em Itirapina – até 2021 serão 2 mil. Com a transferência, não haverá novas contratações.

Na fábrica de Sumaré, permanecerão atividades como produção do conjunto motor, bem como como fundição, usinagem, injeção plástica, engenharia da qualidade, planejamento industrial e logística.

A montadora diz ainda que a fábrica segue as melhores práticas de produção da Honda no mundo, com tecnologias otimizadas de estamparia e solda, além do novo processo de pintura da carroceria, com base d’água.

Foto: Gabrielle Chagas G1

Otimismo

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antônio Megale, a inauguração da fábrica consolida a expectativa de expansão do mercado, que cresceu 10,6% de janeiro deste ano até agora.

“Sabendo que estamos passando por uma transformação extraordinária nos termos de indústria automobilística mundial, é importante que a gente invista em pesquisa de desenvolvimento e inovação e esse programa nos traz isso”, disse Megale.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), disse que com a recuperação do mercado as condições físicas da fábrica permitem a expansão de produção e, consequentemente, a geração de mais empregos.

“Quero dizer que R$ 1 bilhão de investimento é algo substantivo, não é apenas para Itirapina, mas é para São Paulo e para o Brasil. Estamos falando de investimento parte já consolidado e parte a consolidar nesses próximos quatro anos, é especialmente importante”, declarou.F

Créditos da matéria:  G1

Créditos da imagem: Gabrielle Chagas/G1

Confira a matéria na íntegra.

Formula-E: categoria quer ir além da competição

A mobilidade elétrica vem ganhando força, ideias inovadoras já fazem parte do nosso presente e a tendência é mais veículos elétricos e menos poluição. Confira a matéria:

Automobilismo e montadoras de veículos estão mais perto do que nunca do setor elétrico, a aposta é que até mesmo o mercado nacional viva essa revolução em até cinco anos.

A temperatura ambiente lembrava o Rio de Janeiro em pleno verão, eram 39 graus Celsius, sem uma única nuvem no céu para testemunhar o evento que estava para ocorrer na capital chilena, Santiago naquele sábado, 26 de janeiro. Ali, sob calor escaldante, onde a silhueta elevada dos Andes emoldura a cidade, 22 monopostos estavam alinhados em 11 filas para iniciar a terceira etapa da 5ª temporada de uma das mais novas e revolucionárias categorias do automobilismo mundial, a Formula-E. Este é um mundo que começa a fazer parte do setor elétrico a uma velocidade tão elevada quanto a aceleração desses carros.

Formada por bólidos 100% elétricos com alta tecnologia embarcada, a entidade que organiza o evento diz que a modalidade surgiu a partir de uma conversa registrada em um guardanapo, ainda em março de 2011. A primeira corrida foi realizada em Pequim pouco mais de três anos depois. Hoje está maior e com uma estrutura mais robusta para colocar em prática sua proposta de estar mais próxima do grande público e de ser o laboratório e campo de provas quando o assunto é a mobilidade elétrica.

Tanto é assim que vem atraindo pesos pesados da indústria. Já vinculam sua imagem à da F-E a Audi, BMW, DS (do grupo PSA Peugeot-Citroën), Jaguar, Mahindra e Nissan, que substituiu a Renault neste ano. E ainda são esperadas para a próxima temporada Mercedes e Porsche. Esse movimento não é visto com surpresa já que diversos países já começam a impor limites para a venda de veículos novos com motores a combustão entre 2025 e 2040.

Dentre os desenvolvimentos já implementados está a ampliação da capacidade da bateria. Esse componente, que está em sua segunda geração, passou de uma potência máxima de 200 kW para 250 kW e o peso aumentou proporcionalmente menos, passou de 320 kg para 385 kg, praticamente dobrou sua duração dos antigos 25 minutos. A energia liberada aumentou de 28 kWh para 54 kWh. A faixa de temperatura em que trabalha também aumentou, um fator que melhorou a performance dos veículos. Nas quatro temporadas iniciais da F-E a bateria não era capaz de entregar toda a energia necessária para a prova o que levava à necessidade de troca de carro ao longo da corrida. A partir do campeonato iniciado em dezembro passado os monopostos seguem o tempo todo na pista.   

De acordo com uma das principais equipes do grid, a Nissan E.Dams, que corria sob o nome Renault e conquistou os três primeiros títulos de equipe na F-E, os 22 carros da disputa têm o mesmo pacote aerodinâmico, chassis, freios, e partes da suspensão. O que difere é o chamado powertrain (que é o equivalente ao motor de um veículo comum) e a parte traseira da suspensão que estão no foco de desenvolvimento e diferencia a performance dos carros. A velocidade máxima obtida é estimada em 280 km/h, mas não em pistas de rua, onde estão limitados a 240 km/h e representam mais de 90% da temporada. Apenas no México é utilizado o autódromo da cidade.

Isso porque a ideia da categoria é correr em circuitos de rua. Essa característica vem do fato que a F-E quer que as suas corridas simbolizem a viabilidade do uso do veículo elétrico nos centros urbanos, o ambiente natural para a mobilidade elétrica, segundo especialistas ouvidos pela Agência Canal Energia.

 Os atributos são diversos, mas a melhoria da qualidade do ar e a redução de ruídos são os que mais se destacam. A capital chilena, por exemplo, é conhecida pelos seus congestionamentos e a baixa qualidade do ar decorrente da falta de chuvas e condições que não dispersam os poluentes nessa época do ano. Não à toa é a cidade da América do Sul que está mais à frente no que se refere a adoção de soluções para reduzir a poluição causada por veículos a combustão.

Empresas também veem potencial de novos ou crescimento de negócios com a iminente popularização dos veículos elétricos no âmbito da expansão das novas tecnologias no ambiente elétrico. Nesse mesmo local temos a recém-fundada brasileira ZEG e a centenária ABB, que inclusive é detentora do naming rights da categoria desde a temporada 2016/2017.

Greg Scheu, presidente da ABB nas Américas, aponta que a empresa vê com grande entusiasmo a F-E e o futuro como ele se mostra para a mobilidade elétrica. “É mais do que um evento, refere-se ao futuro e às mudanças que teremos na sociedade nos próximos anos”, definiu o executivo. Segundo ele, estar na categoria faz todo o sentido, pois a empresa tem a busca por tecnologia e inovação na mobilidade elétrica em seu core business.

No foco estão o fornecimento de carregadores e serviços agregados a seus clientes. E isso não apenas pensando nos veículos leves, mas a mobilidade como um todo, e nessa conta entram ônibus, caminhões e trens.

Por sua vez, Daniel Rossi, presidente da ZEG, vê um potencial de negócios interessante nos próximos anos com a ampliação do alcance do veículo elétrico no país. Em sua avaliação esse mercado deverá decolar em cerca de cinco anos. Em sua análise, o veículo elétrico não é questão de futuro, já começa a desenhar como realidade no Brasil. Ele concorda que o país ainda está nos seus primeiros passos quando comparado a outras geografias, principalmente, Europa, Estados Unidos e alguns países asiáticos.

“O mercado nacional está dando passos firmes rumo à mobilidade elétrica. Esse é um caminho sem volta, realmente. Ele pode ser 100% elétrico ou híbrido, mas o que se fala de forma geral é que o motor a combustão ficará cada vez menos em destaque”, comentou.

Essa visão de um futuro da mobilidade elétrica é compartilhada até por quem está na pista. Di Grassi faz parte da F-E desde o seu início. O piloto é reconhecido como um dos militantes nessa área e tem a opinião de que a eletrificação dos veículos é o futuro da mobilidade. “Se for por motivos econômicos e de legislação a tendência é de termos cada vez mais carros elétricos”, afirmou. “A F-1 não é mais o laboratório para o desenvolvimento do carro do futuro. Como as montadoras vão produzir os carros do futuro, precisam entender qual é o melhor produto, melhor sensor, motor, tipo de magneto, software de controle, enfim tem-se a noção muito melhor aqui do que trabalhar com o carro a combustão, por isso o grande laboratório de desenvolvimento do carro do futuro é a F-E”, definiu.

Em sua análise, o futuro da mobilidade é elétrico e cita os benefícios de custos mais baixos por quilômetro rodado que pode chegar a apenas R$ 4 para rodar de 150 a 200 quilômetros. Para ele faz muito sentido o uso dos veículos elétricos em grandes centros urbanos, mas reconhece que ainda são muito caros para o país. E que a massificação desse produto pode ser uma das formas de viabilizar a queda de preços. Mas lembra que não é apenas isso, o governo precisa atuar no sentido de colocar tanto o carro a propulsão elétrica e o tradicional a combustão em um mesmo grau de igualdade.

Negócios

Em paralelo a essa discussão, o mercado está otimista com os desdobramentos deste segmento apesar de preços ainda elevados, muito em decorrência das baterias, que representam cerca de um terço do valor do veículo. E como esse é um mercado recém nascido quando comparado ao automóvel a motor a combustão que já tem uma história de um século, as oportunidades são identificadas em todos os vetores que se olha, desde a própria fabricação e desenvolvimento de veículos, ao estabelecimento da infraestrutura à oferta de serviços aos consumidores finais e clientes corporativos.

Dentro desse conceito o serviço mais evidente que é necessário existir é a questão do abastecimento. De acordo com dados da ABB, o Brasil possui atualmente cerca de 350 pontos de recarga de acesso público espalhados pelo país, mas notadamente mais concentrados em São Paulo. Além disso, há outros três eixos rodoviários que permitem viagens entre as cidades de São Paulo e Campinas (esse da CPFL), São Paulo ao Rio de Janeiro (da EDP) e de Curitiba a Foz do Iguaçu (da Copel).

Segundo Marcelo Vilela, Gerente Geral para Produtos de Eletrificação da ABB no Brasil, o tema abastecimento não é um problema para o país. A rede atual de fornecimento consegue atender a demanda dos veículos elétricos. Isso se justifica pelo fato de que a maior parte dos consumidores finais desse produto vai realizar o carregamento das baterias em dois momentos: à noite em sua casa ou durante o dia no escritório. Questões de qualidade do fornecimento da energia também não influenciam, pois, disse ele, o equipamento da ABB é equipado com sistemas de proteção diante da variação de tensão e corrente.

Veículo elétrico sendo recarregado em São Paulo. Imagem: Maurício Godoi / Agência Canal Energia

A empresa projeta a realização de novos negócios este ano por aqui, seja com esse tipo de carregador rápido, instalado em locais púbicos ou o que chama de wall box, de menor potência e que pode ser instalado em residências. Além desse nicho, outras perspectivas pairam sobre a expansão da mobilidade elétrica: a eletrificação de transporte urbano de pessoas e de cargas, bem como frotistas, que tendem a aumentar a demanda por esse tipo de veículo. Além disso, a companhia estuda nacionalizar seu centro de monitoramento de carregadores ao passo que o mercado amadureça. Atualmente a atividade é feita na Holanda, de onde consegue monitorar o parque de 8,5 mil unidades instaladas globalmente.

O problema para que o mercado apresente esse volume expressivo e aumente a escala está ligado diretamente ao preço quando se pensa em termos de consumidores finais. Na opinião das fontes ouvidas, a popularização e, consequentemente, aumento no volume de vendas deve levar à redução de preços desse veículo. Por enquanto, ele ainda é considerado muito caro para o padrão brasileiro.

Dois exemplos vêm de montadoras que anunciaram seus modelos 100% elétricos para o mercado nacional, a Nissan e a GM, ambas no Salão do Automóvel que aconteceu em novembro de 2018. Os valores dos veículos são equivalentes. No caso da japonesa, o Leaf começou a pré-venda a pouco mais de R$ 178 mil, enquanto o Bolt da norte-americana está com um preço anunciado de R$ 175 mil. Ambas empresas reconhecem esse aspecto limitador de venda, mas destacam que ainda assim o mercado vem respondendo positivamente.

Leaf, da Nissan, já está em pré-venda desde o final de 2018. Imagem: Divulgação/Nissa

No caso da montadora japonesa, a aposta está em dois públicos principais para a segunda geração de seu produto que já nasceu para ser elétrico. Segundo o diretor de comunicação da empresa, Rogério Louro, são pessoas que procuram estar na vanguarda da tecnologia e experimentar o novo. Outro grupo é de consumidores que conhecem o conceito, têm a conscientização ambiental e se preocupam com seu impacto na sociedade.

Ele avalia a resposta ao lançamento do veículo como positiva. Até semana passada eram 15 confirmações de clientes e diversas consultas. Apesar de em termos de volume não representar uma grande quantidade é considerado positivo para o mercado nacional. “Não havia uma expectativa oficial por estarmos em um momento de criação de um nicho de mercado”, pontuou o executivo, lembrando que a companhia tem a meta de vender globalmente 1 milhão de unidades movidos a energia elétrica ao ano a partir de 2022.

No caso da norte-americana General Motors, a apresentação de seu modelo elétrico também ocorreu por aqui no Salão do Automóvel. Diferentemente da Nissan, a GM ainda não iniciou a pré-venda do Bolt que já foi anunciado para ser comercializado no país. Mas essa ação deverá ser colocada em prática ainda no primeiro semestre do ano, contou o diretor de Marketing e Produto da empresa, Rodrigo Fioco.

Um dos maiores problemas foi o de equacionar o custo das baterias que é o principal elemento do ponto de vista da indústria por atuar diretamente na autonomia do veículo, questão que está aparentemente resolvida.

Autonomia e escala

Problemas referentes à autonomia e escala são fundamentais para o desenvolvimento do mercado em um estágio inicial de vida como é o caso do brasileiro. Incentivos econômicos e não econômicos são saídas para aumentar a participação no país. Nesse primeiro grupo poderia existir uma equivalência em termos de tributos e isenções ou descontos no IPVA. Já os considerados não econômicos envolvem ações como a liberação da circulação desses automóveis em vias que são normalmente proibidas, como corredores exclusivos de ônibus ou áreas de rodízio, como os existentes em São Paulo.

Outra forma de estimular a escala passa pelo incentivo do uso dos VEs por empresas que usam o veículo em suas operações, ente elas locadoras, empresas de telefonia, distribuidoras de energia, transporte público e de entregas. Até porque, essa modalidade de veículo é vista como natural para o meio urbano por conta de suas características mais intrínsecas, o quase inexistente nível de ruído e ausência de emissões de poluentes.

Algumas iniciativas nesse sentido começam a surgir. Uma delas é a parceria entre a VW Caminhões e a Ambev que fecharam um acordo para que em cinco anos coloquem em circulação 1,6 mil unidades do modelo e-Delivery, uma versão elétrica deste modelo que a fabricante de bebidas utiliza.

Segundo o vice-presidente de Planejamento de Produto, Estratégia Corporativa e Digitalização da VW Caminhões, Leandro Siqueira, destacou que além dos atributos ambientais o veículo a propulsão elétrica tem como característica ser muito mais eficiente que aqueles a combustão. Os mais modernos a combustível fóssil estão na ordem de 40% contra 90% dos elétricos.

A opção por desenvolver uma versão elétrica do Delivery, veículo de entrega de carga urbana, veio em função da visão de um futuro onde a eletrificação da mobilidade é um caminho sem volta. Além disso, o uso desse veículo de rodar em cidades acumulando baixa quilometragem ao final do dia abriu naturalmente o caminho para que o centro de desenvolvimento da companhia buscasse essa alternativa de motorização, pois a autonomia não precisaria ser muito grande nesse caso.

A parceria com a Ambev já resultou em dois veículos em circulação para estudo dos resultados e aprimoramentos do produto e assuntos correlacionados como carregamento, operação e mercado. A produção em série é prevista para 2020 e em 2021 a produção deverá ser acelerada. A expectativa da montadora é de que em breve tenha novos acordos ou contrato com outros clientes.

Ainda no que tange à eletrificação em centros urbanos, outro caminho para sua popularização está no transporte público por meio de ônibus, uma vez que os trens já são em sua grande maioria movidos a energia elétrica. São Paulo pode ser um dos grandes exemplos caso a licitação desse serviço saia do papel algum dia. A ideia vem pela exigência de uma parcela de veículos híbridos ou elétricos nesta que é uma das maiores frotas do mundo. Entre idas e vindas a licitação vem sendo discutida e suspensa pelo Tribunal de Contas do Município e, mais recentemente, pela Justiça desde 2013.

A chinesa BYD comemorou recentemente a marca de 50 mil ônibus elétricos comercializados em todo o mundo. Por aqui a presença nesse segmento ainda é tímido. A empresa possui uma fábrica na região de Campinas e acredita que esse nicho de mercado tende a crescer. O diretor de marketing, Sustentabilidade e Novos Negócios da subsidiária brasileira, Adalberto Maluf, toma como exemplo o caso de diversas cidades chinesas que tomaram frente para a expansão da mobilidade elétrica por meio de suas prerrogativas legais, como exigir coleta de resíduos ou no transporte público para ser o primeiro passo para o desenvolvimento de um ambiente favorável à inserção do VE.

No Brasil, a empresa já entregou 15 unidades de ônibus elétricos na cidade de São Paulo. Considerando que a frota é de 15 mil unidades, representa apenas 0,001% do total. Na América do Sul a capital paulista fica atrás de Santiago, que possui pelo menos 100 unidades, Medellín com 64, Quito no Equador com 20. Contudo, ele se mostra otimista.

“Devagar os projetos começam a sair do papel. A dinâmica do mercado começa assim mesmo, devagar e começa a crescer”, explicou ele citando o caso da operação da BYD nos Estados Unidos. “Na Califórnia, começamos com a venda de 20 unidades, depois mais 50 e hoje já são 350, é um processo que, obviamente, depende de operadores públicos”, destacou ele, lembrando que esse mercado não se limita apenas à venda, mas inclui ainda os serviços a esses grandes clientes como forma de ampliar negócios.

Frota de ônibus elétricos da BYD Santiago. Imagem: Divulgação Enel X

Maluf acredita que a maturidade do mercado nacional de veículos elétricos deverá começar a ser vista em um período entre 3 e 5 anos. Ele cita um estudo da Agência Internacional de Energia que aponta 2022 como o ano em que o preço desse componente viabilizará o veículo para quem roda pelo menos 50 quilômetros por dia. “As coisas estão andando até mais rápido do que imaginamos”, definiu.

Em termos de expansão de mercado, os dois últimos anos foram os de crescimento mais acelerado do mercado nacional. Em 2017 foram registradas 3.297 unidades e em 2018 houve crescimento de 20,4%, para 3.970 unidades. Os dados são da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), divulgados no início do mês. Apesar desse crescimento, representou 0,2% de participação em um mercado de mais de 2,8 milhões de unidades.

O presidente da Associação Brasileira de Veículos Elétricos, Ricardo Guggisberg, comentou que o país alcançou uma frota de pouco mais de 10,6 mil unidades. Esse desempenho, destacou, vem a reboque das medidas tomadas no ano passado em relação à redução do IPI e de IPVA, o desenvolvimento da infraestrutura no país. Tudo isso, continuou ele, vem colaborando para o incremento da eletromobilidade no país. E ainda que nesse mercado é necessário ainda considerar os patinetes e bicicletas elétricas que vêm ganhando destaque em grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro.

Infraestrutura preparada

Do lado das distribuidoras, a visão é de que atender a esse mercado pode ser um bom negócio. Tanto que há pelo menos quatro empresas se preparando para um futuro próximo. A CPFL, EDP, Copel e Enel, cada uma com iniciativas em suas regiões de concessão e contíguas a estas por meio de eletrovias, citadas mais acima. Essas ações foram iniciadas antes da aprovação da regulamentação sobre a recarga de veículos elétricos por parte da Agência Nacional de Energia Elétrica em 19 de junho do ano passado por meio da resolução normativa 819/2018. A agência reguladora optou por uma regulamentação mínima do tema, que evita a interferência da atividade nos processos tarifários dos consumidores de energia elétrica, quando o serviço for prestado por distribuidora.

A regulamentação teria como principal objetivo reduzir a incerteza aos que desejam investir no desenvolvimento da infraestrutura de recarga dos veículos elétricos. Essa a Aneel começou a eliminar eventuais barreiras para o desenvolvimento desse mercado. E ainda que a norma garantiria que o empreendedor investisse nas instalações de recarga sem medo de surpresas regulatórias posteriores.

A paulista CPFL foi uma das primeiras distribuidoras no país a estudar o mundo do veículo elétrico. Hoje a empresa concentra dados que permitem afirmar que o impacto não é relevante sobre a rede de distribuição do país. Entre os pontos que baseiam a afirmação está o fato de que a curva de crescimento dos VEs no país acontecerá de forma suave. Esse fator só será mais um item que as distribuidoras terão que incluir em seus cálculos rotineiros de projeção de demanda futura.

“A gente avaliou lá atrás o impacto do VE na rede e com os dados recentes mantemos a conclusão: que do ponto de vista de consumo de energia no país o impacto tende a ser pequeno e não causará risco à gestão global do suprimento”, afirmou Rafael Lazzaretti, diretor de Estratégia e Inovação da CPFL Energia.

De acordo com dados da companhia, a estimativa é de que em 2020 a frota alcance cerca de 60 milhões de veículos e os elétricos não representem nem 0,01% do total. Cinco anos depois com 0,2% de participação em uma frota total de 71 milhões, o consumo de energia deve ficar em 21,3 MW médios. Esse consumo aumentaria a 311,6 MW médios em 2030 caso o crescimento da participação dos VEs chegue a 2,1% do mercado de veículos no Brasil, alcançando 1,8 milhão de unidades.

Mesmo com o crescimento do consumo, o detalhe é que a demanda estará concentrada em dois momentos ou na residência ou no local de trabalho das pessoas. Esses locais representam 80% do consumo e no primeiro caso ocorre no horário de menor consumo, ao longo da noite e não no pico de consumo. E ainda deve-se considerar ainda o avanço da geração distribuída no país, que vai trazer mais capacidade de absorção dos picos de carga. “Esses são fatos novos que mantêm a conclusão de que a rede e o sistema consegue suprir a demanda ao ponto de o setor elétrico continuar saudável e tranquilo com o aumento da participação do carro elétrico”, acrescentou.

Na avaliação de Nuno Pinto, gestor executivo de Serviços B2C da EDP no Brasil, o avanço deste mercado traz oportunidades de novos negócios. O mais óbvio é o carregamento de veículos, conforme a regulamentação da Aneel do ano passado. Aliás, em sua opinião essa regra colocou o Brasil em uma posição à frente do que se poderia imaginar. “Para se ter uma ideia, essa questão em Portugal foi deliberada apenas em novembro de 2018, ou seja, o Brasil avançou mais do que lá, onde o mercado é mais desenvolvido”, destacou. Para ele, o mercado avançará rápido a ponto de em cinco anos carros a combustão encontrarem problemas para serem vendidos quando comparados a elétricos.

“Tenho a impressão de que este ano será o da chegada de portfólio de produtos com várias montadoras lançando seus modelos e em 2020 o ano da aceleração das vendas”, estimou o executivo da EDP. Para ele o que é necessário nesse momento é focar na educação do consumidor nacional sobre as características dos veículos elétricos. Neste campo a companhia lançou um aplicativo também disponível no Brasil para smartphones IOS e Android. Chamado de edp ev.x (sigla em inglês para experiência em veículo elétrico), traz informações comparativas sobre o custo que se teria em um VE em determinada viagem. “A questão da educação é importantíssima”, constatou ele, que citou a necessidade dos incentivos econômicos e não econômicos como forma de alavancagem do mercado local.

Simone Tripepi, executivo chefe da Enel X na America do Sul, corroborou que o mercado de veículos elétricos está crescendo mais do que o esperado graças à evolução tecnológica e à queda do preço das baterias de ion de lítio. Mas lembrou que o Brasil ainda carece de um mercado, por aqui está em fase inicial, com os primeiros lançamentos previstos para este ano.

Segundo ele, um marco regulatório adequado é importante para promover o desenvolvimento de um mercado de mobilidade elétrica no país. A empresa participou da discussão que levou à adoção do modelo de cobrança pelo serviço de carregamento dos VEs não apenas pelas distribuidoras. “A Enel também participou de outras iniciativas relacionadas à mobilidade elétrica no Brasil. Por exemplo, participamos do projeto Vamo, em Fortaleza, lançado em 2016, que foi o primeiro sistema de compartilhamento de carros elétricos do país, em parceria com a Prefeitura de Fortaleza e a universidade Unifor. O projeto conta com 20 carros e 18 estações de recarga. Até agora, o projeto atingiu o número de 2,8 mil viagens e 6 mil horas de uso”, relatou.

Com o avanço do segmento o plano da companhia é o de focar na infraestrutura de recarga para o transporte público de eletricidade, bem como em serviços de cobrança públicos e privados e planeja fornecer as soluções de hardware e software para carregamento inteligente e soluções de cidades inteligentes.

Regulação

Em temos de legislação para o estabelecimento das empresas e dos serviços para o mercado o advogado especialista no setor de energia elétrica do escritório ASBZ, Daniel do Valle, afirma que o cenário atual atende a demanda, até porque lembrou, ainda é um mercado em uma fase primária de desenvolvimento. Segundo ele, somente se houver um peso maior dos veículos elétricos sobre o SIN é que vê a necessidade de uma regulação mais pesada. Ele afirmou que há muitas ideias a serem avaliadas no futuro quanto a este tema e exemplifica a preocupação quanto ao fato de o carro elétrico possibilitar a transferência da carga de uma região onde ele abastecer para outra, caso mude de área de concessão. “Isso pode ser um problema quando houver escala”, destacou. “Mas neste momento é mais adequado deixar o mercado se autorregular, a atuação deve chegar quando tivermos mais desses veículos”, acrescentou.

Procurada, a Agência Nacional de Energia Elétrica afirmou que a eletromobilidade surge com uma gama de novos produtos e serviços em construção, na medida em que o consumo de combustíveis fósseis se desloca para o aumento de consumo de eletricidade. E daí surge a demanda por novas regulamentações.

A agência reguladora apontou que além da resolução 819, lançou a Consulta Pública n° 19 para a Chamada de Projetos Estratégicos no tema de ‘Soluções em Mobilidade Elétrica’, para que as empresas reguladas do setor elétrico que têm obrigação de atendimento aos Programas de P&D e Eficiência Energética desenvolvam estudos aplicados ao tema, com geração de soluções com inserção no mercado. A Aneel relatou que o processo de consulta pública recebeu 322 contribuições e que está consolidando os dados para divulgar o Edital definitivo.

Voltando a Santiago, ao final dos 45 minutos mais uma volta, tempo de duração da corrida, o vencedor foi o britânico, Sam Bird, seguido por um egresso da Formula 1, o alemão Pascal Wehrlein e em terceiro lugar, outro alemão, Daniel Abt, da equipe campeã do ano passado, a Audi Sport ABT Schaeffler. O piloto brasileiro mais bem colocado foi Nelson Piquet Jr, filho do tricampeão da F-1, em 11º lugar. Lucas Di Grassi, apesar de ter sido o mais rápido na classificação para a largada foi punido e largou em último, escalou o pelotão e chegou em 9º, mas foi novamente punido por ter causado um acidente, terminando assim em 12º. Felipe Massa, em sua terceira corrida pela categoria, abandonou novamente a disputa por ter se envolvido em um acidente.

As atenções em termos de disputa agora se voltam para a próxima etapa que acontecerá na Cidade do México, em 16 de fevereiro. Mas, sempre com o objetivo de olhar mais à frente, para o futuro da mobilidade em todo o mundo.

Créditos da matéria:  Canal Energia

Créditos da imagem: Germain Hazard / DPPI

Confira a matéria na íntegra.

Árvore Eletrônica

A Sologic, startup israelense que trabalha com produtos que fornecem energia solar aos consumidores, desenvolveu a eTree, a árvore que não produz oxigênio, mas sim energia limpa e outros benefícios. Confira mais na matéria:

Leia mais

Supermercado promove coleta de lâmpada

Descarte correto evita a contaminação do meio ambiente

A rede de supermercados Extra começou a instalar pontos de descarte de lâmpadas sem uso em agosto do ano passado e depois de um ano, o projeto recolheu mais de 44 mil lâmpadas, equivalente a seis toneladas.

A maioria das lâmpadas convencionais tem substâncias como mercúrio e se não forem descartadas corretamente podem causar contaminação de solo e água. O objetivo do projeto é colaborar para o descarte sustentável deste tipo de resíduo.

Os coletores são instalados pela empresa Reciclus, operadora logística, que as envia para a unidade de tratamento, separa os tipos de lâmpada, descontamina os resíduos e manda para reciclagem.

Até agora são 48 postos instalados em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Goiânia, Belo Horizonte, Maceió, Curitiba e Cuiabá. A expectativa é ampliar o projeto até o final do ano.

Créditos da matéria: Portal Eco Informe

Créditos da imagens: Divulgação 

Confira a matéria na íntegra.

5 projetos incríveis de economia de energia que podem mudar o mundo

A gente só dá valor à energia quando a luz acaba. Nesse momento, o computador só funciona graças à bateria, a internet “morre” e descobrimos que não tem muita coisa para se fazer sem a ajuda da eletricidade. Mas você já parou para pensar de onde vem a energia e como ela afeta o meio ambiente?

Vivemos em um período de crise energética, em que a demanda é alta e os meios de produção de eletricidade nem sempre são os mais sustentáveis. Por isso, a busca por fontes de energia limpae métodos para economia de energia estão em alta. Essa jornada pela eficiência energética e pelo zelo ao meio ambiente é, em boa parte, potencializada pela tecnologia e por soluções no mínimo criativas.

Conheça algumas delas:

1. OrbSys: o chuveiro que recicla a água do banho e gasta menos energia

Para economizar água e energia elétrica, banhos curtos sempre foram a principal recomendação. Mas o designer sueco Mehrdad Mahdjoubi foi além e buscou na tecnologia uma solução mais eficiente para tornar o banho sustentável. Trata-se do OrbSys, um chuveiro capaz de reciclar a água utilizada, economizando até 90% da água e 80% da energia gastas.

Com um sistema de purificação integrado, é possível remover as impurezas da água que cai no ralo, fazendo com que ela possa ser usada várias vezes durante o banho.

Com um sistema de purificação integrado, é possível remover as impurezas da água que cai no ralo, fazendo com que ela possa ser usada várias vezes durante o banho.

2. Solar Impulse 2: o avião movido a energia solar

A energia solar é um dos mais promissores tipos de energia limpa. Para provar isso, a dupla de pilotos suíços Bertrand Piccard e André Borschberg topou o desafio de dar a volta ao mundo a bordo do Solar Impulse 2, um moderno avião de pequeno porte que usa como fonte exclusiva de energia os raios solares captados por suas 17 mil placas fotovoltaicas.

Enquanto voa em altas altitudes, o Solar Impulse 2 capta energia e a armazena em baterias de lítio.

Enquanto voa em altas altitudes, o Solar Impulse 2 capta energia e a armazena em baterias de lítio. Quando anoitece, os motores são desligados e o avião plana até chegar a um limite de altitude. Nesse ponto, os motores são ligados novamente, usando a energia acumulada na bateria até que o dia amanheça e os raios solares possam ser captados novamente, repetindo o ciclo.

3. Estação de metrô no DF é a primeira da América Latina a usar energia solar

No Brasil, mais precisamente no Distrito Federal, a energia solar também tem se destacado. A estação de metrô Guariroba, em Ceilândia, vai ganhar painéis solares, cuja energia gerada será utilizada para abastecer a bilheteria e as plataformas da estação.Estação de metrô no DF é a primeira da América Latina a usar energia solar

Estação de metrô no DF é a primeira da América Latina a usar energia solar

A Metrô-DF, companhia responsável pelo metrô, pretende instalar o sistema também nas outras 23 estações, o que reduziria o gasto de eletricidade em até 20%. Este é o primeiro exemplo na América Latina a usar energia elétrica para abastecer estações de metrô.

4. Starpath: o caminho inteligente que usa a luz do sol para brilhar

A iluminação noturna nas cidades é uma questão de segurança, mas não se pode ignorar o fato de que muita eletricidade acaba sendo consumida em vão. Como uma solução parcial para esse problema foi desenvolvido o Starpath, um produto que pode ser aplicado a qualquer tipo de piso e que consegue absorver os raios ultra-violetas, transformando-os em energia, que é absorvida pelo material e utilizada apenas quando anoitece.

A empresa britânica Pro-Teq, criadora do produto, já está fazendo testes em um caminho em Cambridge, no Reino Unido.

Starpath: o caminho inteligente que usa a luz do sol para brilhar

5. A sala de aula que produz quatro vezes mais energia do que consome

Geralmente, edifícios usam painéis solares para suprir parte da demanda por energia. Mas no caso desta escola projetada para a cidade de Ewa Beach, no Havaí (EUA), a história é justamente o contrário: a partir dos painéis, será gerada quatro vezes mais energia do que as salas de aula precisam para funcionar.

Para conseguir isso, os arquitetos usaram a própria estrutura das salas para garantir uma otimização da luz natural e da ventilação, evitando gastos com ar condicionado ou ventiladores e luz. Incrível, hein?

Além de serem ótimas para o meio ambiente, tecnologias que economizam energia também tornam a nossa vida mais prática. Se você tem um notebook antigo, de quatro ou cinco anos atrás, sabe que é um estorvo precisar levar o carregador a todos os lugares, afinal, a bateria não dura quase nada.

Mas com os novos processadores Intel da 5a geração, a história muda. Eles usam até 50% menos de energia se comparado aos processadores de quatro anos atrás e não exigem ventoinhas para a refrigeração. Na prática, isso significa que é possível passar o dia todo sem precisar carregar a bateria do notebook. É o caso do Ultrabook 2 em 1 Latitude 13 7000, da Dell, que usa o processador Intel Core M da 5a Geração, oferecendo duas vezes mais velocidade e economia de energia, além de ser leve e superfino.

Essa evolução de eficiência energética, performance e tamanho dos processadores acontece em sincronia com a chamada Lei de Moore. Em 1965, o engenheiro Gordon observou que o número de transistores, as estruturas que formam os processadores, em um chip tende a dobrar a cada 18 meses, aumentando sua capacidade de processamento em 100%.

Isso quer dizer que, se um smartphone Android com processador Intel fosse construído em 1971, apenas o microprocessador do telefone iria ocupar a vaga de um carro. Ou então, se a Lei de Moore fosse aplicada à a viagem para a Lua de 1969, que durou três dias, hoje ela levaria cerca de um minuto para ser completada. Entendeu o que pode vir por aí?

A Intel, não só caminha lado a lado com a Lei de Moore e com a economia de energia, trazendo processadores ainda mais eficientes para o mercado, como também faz sua parte ao não comprar minerais provindos de áreas de conflito para produzir seus processadores. Em vários países, como a República Democrática do Congo, minerais como o ouro, o estanho, o cobalto e o cobre são explorados ilegalmente por grupos armados, que usam o dinheiro dessas negociações para alimentar guerras civis e violar os direitos humanos. E isso a Intel não financia. Afinal, para criar tecnologias inovadoras de verdade é preciso ter respeito com o meio ambiente e com as pessoas.

Créditos da matéria: Hypeness

Créditos da imagens: Divulgação – Diversos.

Confira a matéria na íntegra.

Maior usina solar em supermercado é inaugurada em Santa Catarina

A usina conta com 1680 módulos solares fotovoltaicos na cobertura da loja.

O setor supermercadista brasileiro acaba de ganhar a maior usina solar do segmento, inaugurada no Condor América Joinville, em Santa Catarina, no dia 31 de julho. Projetada e executada pela Domínio Solar, a usina conta com 1680 módulos solares fotovoltaicos na cobertura da loja, capazes de gerar 780000 kWh por ano, o suficiente para abastecer 325 residências, e ainda contribui para preservar o meio ambiente com a redução de 230 toneladas de CO2 por ano.

Durante a inauguração, o presidente da Domínio Solar, César Augusto, entregou ao presidente do Condor Super Center, Pedro Joanir Zonta, um troféu por ter conquistado o feito de inaugurar a maior usina solar do setor supermercadista.

“Devemos reconhecer e homenagear os empresários que investem em tecnologias limpas e sustentáveis. Mais do que o retorno financeiro para o negócio, a energia solar possui diversos benefícios para o meio ambiente e para as gerações futuras”, diz César.

Outros projetos

Este já é o terceiro projeto realizado pela Domínio Solar para o Condor. Um dos projetos da empresa para a Rede Condor foi a unidade Santa Quitéria, localizado em Curitiba, que utiliza 1422 módulos solares na cobertura da loja. A economia tem sido grande, com uma geração solar total acima de 113000 kWh e redução da emissão de 86 toneladas de CO2 desde a homologação do projeto solar.

A Domínio Solar presta assessoria desde o projeto arquitetônico, passando pelos projetos de engenharia e instalação do sistema completo. Com projetos implantados em sete estados da federação: SC, PR, SP, MS, GO, MT, RO, a empresa projeta um incremento de 300% em 2018.

“A energia solar é uma tendência que veio para ficar, com capacidade para minimizar as carências e problemas de planejamento do setor energético do nosso país”.

Outras fontes de energia

Inundações de grandes áreas e dificuldade de licenças ambientais vem tornando os projetos de hidrelétricas cada vez mais inviáveis. Em relação às termelétricas a diesel, por exemplo, o problema é ainda mais grave, pois além de ser uma energia “suja”, tem seus preços oscilando com a variação cambial e as altas do custo do petróleo. Além disso, o país vem sofrendo reajustes no preço da energia elétrica muito acima da inflação, comprometendo o orçamento das famílias e empresas.

As mais de 30 mil empresas e residências que já optaram pela energia solar vem comprovando o ótimo investimento, com retorno na casa de 4 a 6 anos, com vida útil do sistema superior a 30 anos, com baixíssimo custo de operação, basicamente limpeza do módulos solares.

Créditos da imagem: Divulgação

Créditos da matéria: Portal Ciclo Vivo

Confira a matéria na íntegra

Cuiabá terá 82 pontos de ônibus em contêineres com energia solar e jardim suspenso

Os abrigos ainda vão contar com uma mini biblioteca de livros.

prefeitura de Cuiabá inaugurou o primeiro ponto de espera de ônibus construído a partir do reaproveitamento de contêineres.

O abrigo foi construído em um modelo público-privado, onde as empresas Pantanal Shopping e a Edificatto Arquitetura cederam a parada de ônibus para a prefeitura, em troca da exploração publicitária do espaço.

Através do programa “Adote um Abrigo”, a prefeitura pretende estender este modelo para outros 82 espaços de diferentes regiões da cidade, onde exista um grande número de passageiros por dia.

Abrigo em contêineres

Para serem transformados em abrigos, os contêineres, que antes seriam descartados, passam por um intenso processo de restauração de suas estruturas, incluindo pintura, plotagem e a instalação de um jardim suspenso com plantas ornamentais, que ajudam no isolamento térmico e deixam a cidade um pouco mais verde. Após reformada, a estrutura tem garantia de pelo menos mais 15 anos de vida útil.

Projetados para conferir conforto aliado a um sistema totalmente planejado em respeito às atuais problemáticas ambientais, os abrigos ainda terão placas solares, pontos de recarga de celulares com USB, além de micro bibliotecas. Com acessibilidade planejada e conforto, o espaço ainda conta com painéis de LED com informações atualizadas dos ônibus que utilizam aquele ponto de parada.

Foto: Gustavo Duarte / Prefeitura de Cuiabá Adote um abrigo

Todos os pontos serão construídos por meio do processo de chamamento público, no qual a iniciativa privada é incentivada a aderir à política denominada “adote um abrigo”. Com essa dinâmica, empresas conquistam o direito legal de explorar o espaço com o uso de publicidade, à medida que também assumem a responsabilidade de zelar pelo lugar, com as devidas manutenções necessárias.

Com o prazo mínimo de cinco anos para exploração, é possível que esse período seja prolongado conforme a legalidade dos trâmites institucionais.

O projeto conta com um investimento de aproximadamente R$ 70 mil por parte do investidor, que, em contrapartida, tem assegurado o direito de explorar publicitariamente a estrutura.

“Estamos diante de uma nova era, onde a sustentabilidade já não é uma simples vertente perceptiva do mundo, mas sim um novo modelo de gestão de metrópoles e países inteiros. A reutilização de contêineres que seriam descartados no meio ambiente garante muito mais que uma nova vida à estruturas até então ‘mortas’, contribuindo diretamente para a redução na produção de resíduos sólidos que demoram décadas a fio para sua degradação. Queremos ser parte da solução global que pensa no desenvolvimento integrado, aliando alta tecnologia com desempenho e materiais sustentáveis. E é valioso saber que em tão pouco tempo este nosso trabalho tem ganhado proporções grandiosas. Queremos inspirar outras capitais e estados, com a certeza de que uma boa e viável ideia precisa ser repetida sucessivamente, criando um coro de mudanças conjuntas efetivas. É motivo de muita alegria para nós, vermos que nossas iniciativas estão servindo de bons exemplos para o país”, refletiu o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro.

Créditos da matéria: Ciclo Vivo.

Confira a matéria na íntegra.

BNDES concederá empréstimos para energia solar doméstica

A implantação de sistemas de geração de energia solar permitirá aos consumidores reduzirem gastos com a conta de luz.

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou mudanças que vão beneficiar quem sonha com energia solar em casa.

Por meio do Programa Fundo Climaagora pessoas físicas terão acesso a financiamentos para a instalação de sistemas de aquecimento solar e sistemas de cogeração. Se enquadram nestes casos: placas fotovoltaicas, aerogeradores, geradores a biogás e equipamentos necessários.

Os recursos poderão ser contratados em operações indiretas somente por meio de bancos públicos.

Energia solar e economia

A implantação de energia alternativa permitirá aos consumidores reduzirem gastos com a conta de luz. Isso porque passarão a comprar menos energia da concessionária. Além disso, poderão fazer até uma conta corrente de energia vendendo o excedente para a distribuidora.

Em suma, os benefícios se estendem para toda a rede pública. Com a geração distribuída todo o sistema elétrico ganha, pois o risco de interrupção do fornecimento de energia será reduzido.

Condições do BNDES

Os limites do Fundo Clima podem chegar a R$ 30 milhões a cada 12 meses por beneficiário. Dessa forma, tanto para pessoas físicas quanto para pessoas jurídicas, o custo financeiro do Fundo Clima é reduzido.

Para renda anual até R$ 90 milhões, o custo é de 0,1% ao ano, e a remuneração do BNDES é de 0,9% ao ano. Para renda anual acima de R$ 90 milhões, o custo é de 0,1% ao ano, e a remuneração do BNDES é de 1,4% ao ano.

A remuneração dos agentes financeiros é limitada até 3% ao ano. Uma vez aplicada a remuneração máxima definida pelos bancos públicos, as taxas finais passam a ser as seguintes: para renda anual até R$ 90 milhões, o custo final é de 4,03% ao ano; para renda anual acima de R$ 90 milhões, o custo final é de 4,55% ao ano.

O programa permite carência de 3 a 24 meses, com prazo máximo de 144 meses. A vigência para adesão vai até 28 de dezembro de 2018.

Fundo

O Fundo Clima é destinado a iniciativas inovadoras, como projetos de mobilidade urbana e energias renováveis.Objetivo é financiar produções e aquisições de eficiência energética ou que contribuam para a redução de poluentes.

Créditos da matéria: Ciclo Vivo. 

Confira a matéria na íntegra.

Centro de Inovação em Novas Energias é criado em São Paulo

Uma nova parceria anunciada nesta semana pretende colocar o Brasil entre a vanguarda das pesquisas em novas fontes de armazenamento de energia e conversão de energia limpa.

Publicado em 28 de maio. 

A criação do Centro de Inovação em Novas Energias (CINE) é resultado de uma parceria que envolve as universidades Estadual de Campinas (Unicamp) e de São Paulo (USP), o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), a FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e a empresa Shell.

O objetivo do CINE é desenvolver novos dispositivos de armazenamento de energia com emissão zero de gases de efeito estufa (ou próximo de zero) e que utilizem como combustível fontes renováveis, além de novas rotas tecnológicas para converter metano em produtos químicos, entre outros objetivos. O centro receberá investimento de R$ 110 milhões em cinco anos.

A Unicamp, USP e Ipen aportarão R$ 53 milhões como contrapartida econômica, na forma de salários de pesquisadores e de pessoal de apoio, infraestrutura e instalações. A Shell aportará um total de até R$ 34,7 milhões, enquanto a FAPESP reservou um investimento de R$ 23,14 milhões.

Transferência de tecnologia

O CINE terá quatro divisões de pesquisa, com sedes na Unicamp (Armazenamento Avançado de Energia e Portadores Densos de Energia), na USP (Ciência de Materiais e Químicas Computacionais) e no Ipen (Rota Sustentável para a Conversão de Metano com Tecnologias Químicas Avançadas), e que desenvolverão, ao todo, 20 projetos.

missão do centro será produzir conhecimento na fronteira da pesquisa e, paralelamente, transferir tecnologia para o setor empresarial. As pesquisas poderão gerar resultados que serão usados pela Shell para gerar startups ou firmar parcerias com outras empresas.

A FAPESP já apoia Centros de Pesquisa em Engenharia em parceria com as empresas GSK, com sedes na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e no Instituto Butantan; outro com a Shell, instalado na Escola Politécnica da USP; com a Peugeot Citroën, na Unicamp; e mais um com a Natura, na USP.

Estão em vias de serem constituídos outros centros em parceria com: Embrapa, em mudanças climáticas; Statoil, em gerenciamento de reservatórios e produção de petróleo e gás; Usina São Martinho, em medidas sustentáveis para o controle de doenças que afetam a cana-de-açúcar; Koppert, no controle biológico de pragas.

Créditos da imagem: Divulgação.

Créditos da matéria: Site Inovação Tecnológica.

Confira a matéria na íntegra.

Jardins de chuva estão surgindo pela cidade de São Paulo

Um grupo de ativistas ambientais estão literalmente quebrando o asfalto e o concreto para não apenas deixar São Paulo mais verde, como também um pouco mais permeável. Para isso, estão utilizando uma técnica simples de permacultura e desenho urbano, os jardins de chuva.

A solução é bastante óbvia, porém raramente utilizada. O jardim de chuva foi criado pelo africano Phiri Maseko, conhecido por ser “o homem que plantava chuva”. Desde então, o método foi espalhado e aprimorado em diferentes lugares do mundo.

Um dos destaques é a cidade de Tucson, no deserto do Arizona, EUA, onde a aplicação dos jardins de chuva transformou completamente um bairro.

Como funciona um jardim de chuva

Os canteiros de chuva são construídos em um nível ligeiramente mais baixo que as calçadas e ruas, permitindo assim a entrada e o acúmulo de água. Para ele funcionar na estrutura das cidades, é necessário criar aberturas no meio fio, que podem ser feitas por canos ou com um simples espaçamento entre as barreiras de concreto.

É importante escolher uma vegetação mais resiliente e nativa, que suporte receber muita água por um tempo e pouca água no período de seca. Desta forma, o canteiro se torna autossustentável, não havendo a necessidade de rega. O ideal é cobrir o canteiro com pedra ou madeira, eles mantêm a umidade do solo e também não deixam que a terra seja levada pela água durante as enxurradas.

Plantando chuva em São Paulo

Nik Sabey é um dos responsáveis pelos primeiros jardins de chuva da cidade. Ele já deixava a cidade mais verde com seu projeto  Novas Árvores por Aí, porém, depois que descobriu a técnica do jardim de chuva com o engenheiro Guilherme Castagna, não viu mais sentido em criar canteiros de outra maneira.

“A vontade de plantar já existia e de repente aprendemos uma solução tão óbvia, que não teria por que não aplicar,” disse Sabey em entrevista ao CicloVivo.

“Os benefícios do jardim de chuva são inúmeros. Ele alimenta o lençol freático, irriga as plantas e árvores, poupa água, aumenta a umidade do ar por meio da transpiração das plantas, diminui ilhas de calor e ainda de quebra ajuda a combater enchentes,” ressaltou o ativista.

“Além disso, as árvores crescem muito mais saudáveis, tendo menos chance de serem atacadas por cupins e outras pragas, aumentando assim sua resistência e longevidade.”

Sabey, junto com parceiros, como o botânico Ricardo Cardim e Sérgio Reis, já desenvolveu diversos jardins de chuva em calçadas, canteiros, rotatórias e até mesmo em ruas, literalmente quebrando o asfalto.

Recentemente, ele construiu uma solução bastante interessante no bairro de Moema, um canteiro na rua, paralelo à calçada, onde carros passavam o dia estacionados.

Foram aplicadas ainda chapas de metal para ampliar a calçada, que antes era muito estreita, criando um ambiente muito mais amigável para pedestres e moradores do bairro. O ativista também já transformou rotatórias nos bairros de Pinheiros, Vila Mariana e Mooca.

Ele conta com a ajuda da prefeitura, que autoriza a obra e também quebra o concreto. O restante do trabalho é feito por ele e seus parceiros. Um bom exemplo de aplicação da técnica na cidade é o do Largo das Araucárias, no bairro de Pinheiros.

Lá existia apenas escombros de uma antiga construção e muito entulho. Hoje, é uma linda praça feita pela iniciativa dos ambientalistas que também ganhou um canteiro de chuva.

Neste caso, os ativistas contaram com o projeto da empresa Fluxo Design, que é especialista no assunto.

Redesenhando os jardins e canteiros das cidades

O jardim de chuva é uma ótima solução de urbanismo, pois traz um desenho inteligente para as cidades. Em regiões áridas, ele pode ajudar a trazer o verde e a umidade de volta. Já em locais úmidos, ajuda a reduzir enchentes. Os canteiros de chuva poderiam ser aplicados em larga escala se fossem inclusos como norma nos manuais de obras e manutenção de prefeituras.

Um bom exemplo de sua aplicação em cidades é o projeto de revitalização da vegetação da Marginal do Rio Pinheiros, desenvolvido pelo botânico Ricardo Cardim. Ele utilizou o método ao longo de um canteiro central que divide a via e que irá receber diversas árvores e vegetação nativa, garantindo a irrigação e a recarga do lençol freático na várzea do rio.

“Não faz nenhum sentido impermeabilizar tudo e depois construir um piscinão. Se houvessem muitos canteiros de jardins de chuva, poderíamos facilmente combater as enchentes,” finaliza Sabey.

Confira mais alguns canteiros de chuva pela cidade:

Créditos da matéria: Ciclo Vivo.

Confira a matéria na íntegra.